Sahifa fully responsive WordPress News, Magazine, Newspaper, and blog ThemeForest one of the most versatile website themes in the world.
Kênia é Gente de Casa. Da Santa Casa!
16 de julho de 2021
Dr. Célio de Oliveira é médico da casa
16 de agosto de 2021
Veja mais

Câncer de Cabeça e Pescoço – Entrevista com o Dr. Leandro Caixeta

Conversa com especialista – Dr. Leandro Caixeta – Cirurgião de Cabeça e Pescoço

Tema: Câncer de Cabeça e Pescoço

Julho Verde é o mês de conscientização e prevenção do Câncer de Cabeça e Pescoço. Câncer de Cabeça e Pescoço é o nome que se dá ao conjunto de tumores que se manifestam na boca, faringe, laringe entre outras localizações da cabeça e do pescoço. Embora diferentes tipos de tumores possam se desenvolver nessa região, o carcinoma epidermóide é o mais frequente. Segundo estimativa do Instituto Nacional do Câncer (INCA), os tumores de Cabeça e Pescoço são mais frequentes em homens na faixa dos 60 anos de idade, representando o 2° tipo da doença com maior incidência na população masculina e o 5° mais comum entre mulheres.

O nosso entrevistado é o Cirurgião de Cabeça e Pescoço, Dr. Leandro Caixeta

Dr. Leandro, quais os tumores estão agrupados como cânceres de cabeça e pescoço?

As principais doenças malignas que acometem a região da cabeça e do pescoço são os tumores de pele, lábios, boca, nasofaringe, orofaringe, hipofaringe, laringe, esôfago, seios paranasais, glândulas salivares, tireoide e paratireoides.

Desses que citou, quais seriam os mais comuns em homens e mulheres?

Ao considerarmos somente os tumores localizados na cabeça e pescoço, em homens, o câncer de boca é o mais comum. Já em mulheres, o câncer de tireoide é o mais incidente.

Esses cânceres apresentam alto índice de mortalidade? Por quê?

Como estamos falando de um conjunto de neoplasias malignas que acometem diversas regiões da cabeça e pescoço, não podemos generalizar essa informação. A mortalidade de cada câncer irá relacionar-se ao seu tipo e tamanho ao diagnóstico, sendo muito importante a sua detecção em uma fase inicial. Sabe-se que no nosso país, o diagnóstico tardio e as dificuldades de acesso dos pacientes mais carentes ao tratamento definitivo (geralmente ofertado em grandes centros), faz com que a mortalidade geral dos cânceres de cabeça e pescoço se eleve.

Quais os principais fatores de risco para os tumores de cabeça e pescoço?

Além dos fatores genéticos que alguns tipos de câncer apresentam, podemos citar os seguintes hábitos de vida como os principais causadores dos cânceres de cabeça e pescoço:

– Tabagismo e etilismo: são os fatores de risco mais importantes para os tumores de boca, seios paranasais, nasofaringe, orofaringe, hipofaringe, laringe e esôfago.

–  Promiscuidade sexual: a infecção pelo HPV (Papilomavírus Humano) uma doença transmitida sexualmente, é um importante fator de risco para os tumores de boca e orofaringe (garganta). A infecção pelo HIV também eleva a probabilidade de câncer em cabeça e pescoço.

–  Exposição à radiação: os tumores de pele (melanoma, carcinomas basocelulares, espinocelulares, etc) relacionam-se com a exposição solar prolongada, principalmente na infância, e aparecerão em média na 6ª década de vida. A exposição à radiação ionizante também é um importante fator de risco para os tumores da glândula tireoide.

Outros fatores que podem contribuir para o câncer de cabeça e pescoço são: infecção pelo vírus Epstein-Barr (câncer de nasofaringe), imunossupressão pós transplante de órgãos, exposição ocupacional a agentes carcinogênicos, má higiene oral, doença periodontal, próteses dentárias mal ajustadas, enxágue oral a base de álcool, consumo de bebidas quentes (como o chimarrão), exposição à fumaça de fogão à lenha e dieta pobre em frutas e verduras.

Quais os sinais e sintomas que devemos perceber?

Os principais sintomas de tumores nas vias aéreas e digestivas superiores são: feridas de difícil cicatrização na boca e garganta, dor ou dificuldade para engolir, alteração da voz (rouquidão), falta de ar, sangramentos pela boca ou nariz, obstrução nasal crônica e nódulos persistentes no pescoço. Lesões de pele que não cicatrizam ou que apresentam crescimento progressivo, ulcerações, mudança de coloração, bordas irregulares e sangramento, podem tratar-se de tumores cutâneos.

Como é feito o diagnóstico deste tipo de câncer?

A maioria das neoplasias de cabeça e pescoço é diagnosticada através da entrevista médica, exame clínico e realização de biópsia das lesões suspeitas. Em alguns casos, podemos lançar mão de exames mais invasivos, como endoscopias e laringoscopias, para acessarmos uma lesão de difícil localização. A realização dos exames de imagem (ex: ultrassonografia, tomografia computadorizada e ressonância nuclear magnética) nos permite um melhor estudo das lesões, auxiliando assim o diagnóstico e planejamento do tratamento oncológico.

Quais são hoje os tratamentos possíveis? As chances de cura são altas?

A cirurgia é o principal tratamento para a maior parte dos tumores de cabeça e pescoço, podendo ser associada à quimioterapia e radioterapia em casos mais avançados. Radioterapia exclusiva ou em associação com a quimioterapia, também são empregadas em algumas modalidades de tratamento não cirúrgico. Em tumores avançados de tireoide, utiliza-se o iodo radioativo como terapia complementar à cirurgia. Novas modalidades de tratamento, como a terapia-alvo e a imunoterapia, estão sendo introduzidas no tratamento do câncer avançado em cabeça e pescoço, e prometem ser opções eficazes contra esses tumores. A chance de “cura” (controle oncológico) está diretamente relacionada ao tipo e tamanho do tumor, sendo alta para a maioria dos tumores diagnosticados em uma fase inicial.

Quais seriam as principais medidas de prevenção?

A medida de prevenção mais importante contra os cânceres de cabeça e pescoço, certamente é a cessação do tabagismo. Temos hoje, disponibilizado pelo SUS nos postos de saúde, tratamento medicamentoso e terapias em grupos para aqueles pacientes que não conseguirem parar de fumar sozinhos. Além disso, cessar ou reduzir o etilismo, manter uma boa higiene oral, adotar uma alimentação saudável (rica em fibras vegetais), praticar sexo com proteção, vacinar-se contra o HPV, utilizar protetor solar e evitar exposição solar prolongada, são importantes medidas de prevenção das neoplasias malignas em cabeça e pescoço. Por fim, caso suspeite de um tumor na região de cabeça e pescoço, procure imediatamente assistência médica, pois o diagnóstico precoce é fundamental para o sucesso do tratamento.